31 outubro 2018

Para não dizer que não falei das bruxas





Quem não queria ser sábia e inteligente
Saber ouvir o barulho do vento
Transformar plantas em medicamentos
Fazer previsão do tempo?


Quem não queria varrer pensamentos ruins
Jogar no caldeirão o mau olhado
Dar gargalhadas aparentemente sem motivos
Transformar sapos em príncipes encantados?

Quem não gostaria de ter liberdade de pensar
Liberdade de vestir-se como quiser
Misturar laranja, roxo e preto num modelito milenar
Olhar-se no espelho e encarar o que der e vier?

Quem não se importaria de não ter a beleza fina e tradicional
Mas manter um olhar misterioso e uma beleza interior sem igual
Com um gato preto independente e leal
E manter sempre o bom astral?

E quando a coisa apertar
Voar com a vassoura para bem longe
Para lugares nunca antes conhecidos
Rir da vida, rir de si mesmo, viver a vida e ser feliz





Samantha