segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

O Conselho Wiccaniano


Deves seguir às Leis Wiccanas

Em Perfeito amor e perfeita confiança
Deves viver e deixar viver,
Com justiça tomar e com justiça ceder.
Pois o círculo, três vezes traçado,
Mantém o espírito indesejável afastado.
Para que o encantamento seja eficaz
Em verso deve-lo sempre recitar.
Sê de olhar suave e toque leve
Fale pouco e ouça o que deve.
Em Sentido horário caminhe na Crescente,
Entoando assim o seu canto pungente.
Quando a Lua da Dama está a crescer
Beijar duas vezes sua mão é um dever.
Quando a Lua atinge seu apogeu,
Deves seguir o objetivo de teu coração.
Sinta o poder do vento norte que corta,
Amarre as velas, tranque a tua porta.
Quando sopra do Sul o vento benfasejo,
O amor em tua boca lançará um beijo.
Se o Vento sopra oriundo do Poente,
Traz novidade então festeja contente.
Nove lenhas ardem sob o caldeirão,
Queimam rápido ou com lentidão.
Mas o Sabugueiro é a Árvore da Senhora,
Não a queime, ou o castigo não demora!
Quando a Roda se põe a girar,
Logo os Fogos de Beltaine vão queimar.
E quando girar, e o Yule chegar,
É hora de por a tronco do Cornífero a queimar.
Vê a árvore, o arbusto e a flor,
Da Senhora recebam bênçãos e amor.
No rio onde a água corre em liberdade,
Lança uma pedra e conhecerás a verdade.
Quando em tuas mãos a semente noviça,
Não te importes com quem a cobiça.
Com o tolo não deves andar,
Nem como amigo dele deves figurar.
Feliz encontro e feliz partida,
Iluminam o rosto, o coração e a vida.
Respeitar sempre a Lei Tríplice deves
Pois três vezes o que mandas é o que recebes.
Quando envolvido por algum desgosto,
Leva a estrela sobre teu rosto.
Em verdadeiro amor deves sempre estar,
Se teu amor jamais fraquejar.
Estas oito palavras da Lei Wiccanana deves respeitar:
Se mal nenhum causar, faze o que desejar.


Related Posts with Thumbnails

Tarot

Seu DESTINO através do TARÔ

Minha Comunidade de Consultas no antigo Orkut.

The Rider Waite Tarot

Meu baralho preferido - by Waite, Arthur Edward - US GAMES SYSTEMS

Classic Tarot

Meu baralho preferido - by Carlo DellaRocca - Lo Scarabeo